25 de mar de 2009

Fogo

Ante o nada,
hoje,
o eco das últimas sílabas
habita
involuntário,
insano,
o peito.
Fere amor com seu sarcasmo,
oculta amarga veia da saudade,
viola sentimentos, sentidos.
Desvãos.
O alimento em gotas do desejo
é o fogo denso,
vivo,
a queimar
(quase secreto)
no invisível
brilho dos teus olhos.

Nenhum comentário: